DESCUIDO?

Delegado confirma que iogurte pode ter sido causa do acidente que matou estudante

O delegado Lindomar Ventura, da Polícia Civil de Cruzeiro do Sul, confirmou à reportagem do Diário do Acre que a causa do acidente com um ônibus que matou uma estudante do Colégio Acreano pode ter sido um iogurte que o motorista Antônio Marques da Costa pegou estando ao volante, aliado a outros fatores que ainda estão sendo investigados, segundo ele.

“Ele [o motorista] relata que no momento do acidente havia um professor que estava distribuindo iogurte para os alunos. Quando esticou o braço direito para pegar um, uma das passageiras gritou ‘motorista’ e ao retomar a atenção, segundo ele, o veículo estava indo para a esquerda com muita força e neste momento ele jogou o copo fora e tentou controlar o veículo segurando o volante, mas não conseguiu. Foi quando o ônibus entrou na pista contrária, bateu no meio fio e tombou. A perícia é que vai comprovar isso ou não. ”, disse o delegado.

Lindomar Ventura, não descarta falha mecânica, mas acha pouco provável que esta tenha sido a causa. “Esta é outra situação que será verificada pela perícia e que se for confirmada será juntada ao inquérito que foi instaurado para levantar as circunstâncias e apontar responsabilidades. ”, explicou.

Sobre se a documentação do veículo está vencida ou se a carteira de habilitação do motorista Antônio Marques está suspensa, o delegado disse não ser possível confirmar porque no momento da oitiva o sistema de consultas estava fora do ar.

“Não deu para checar na hora, mas estamos verificando. Ele foi liberado, mas outras pessoas que estavam no ônibus estão sendo ouvidas, o inquérito foi instaurado e ele voltará a prestar depoimento.”, garantiu Ventura.

O delegado explicou ainda que não teve tempo de ouvir mais testemunhas devido ao estado emocional em que as pessoas envolvidas no acidente se encontravam e terem retornado para Rio Branco antes que fosse possível que prestassem depoimentos.

No ônibus que tombou na BR 364 matando a estudante Kelly Pereira, de 15 anos, viajavam para Cruzeiro do Sul três equipes de basquete que disputariam as finais dos Jogos Escolares. Duas dessas equipes eram do Colégio Acreano, de Rio Branco, e uma da Escola Divina Providência, de Xapuri.