Precavidos

Empresários acreanos temem nova greve de caminhoneiros e falam em reforçar estoques para evitar desabastecimento

Preocupados com a possibilidade de interrupção do transporte terrestre de mantimentos, empresários acreanos passaram a acompanhar o movimento dos caminhoneiros que ameaçam começar uma greve geral a partir do dia 29 de abril. A Associação Comercial e Industrial (Acisa) informou que atacadistas, a exemplo da mobilização de 2018, possuem estoque para 45 dias.

Segundo o presidente da Acisa, Celestino Bento, existe a ameaça de interrupção do abastecimento caso haja a mobilização dos caminhoneiros. Com a possibilidade de um novo ato, empreendedores podem ampliar a quantidade de produtos em estoque.

“Estamos acompanhando as informações, como da última vez, houve a ameaça [de interromper o abastecimento] e os nossos atacadistas trabalham com estoques de 45 dias, então acredito que não há riscos, mas é sempre bom estar prevenido, porque não sabemos quando irá começar e qual será a extensão. Estamos atentos a qualquer situação, e o mercado [local] vai se preparar para eventual possibilidade de paralisação”, disse o representante dos empresários.

Atacadistas do Acre alegam possuir estoques de produtos para 45 dias/Internet

Um dos sócios de uma rede de supermercados do estado, Adem Araújo, confirmou o temor da interrupção do abastecimento, mas confirmou que há um trabalho regional para evitar a falta de mercadorias.

No final de abril do ano passado, os caminhoneiros começaram a fechar as rodovias, com isso, o movimento chegou ao Acre por volta do dia 20 de maio, resultando na falta de alimentos perecíveis, que por se estragarem com facilidade, são comprados, em média, com uma semana de antecedência. Assim, alimentos como  tomates, hortifruti, foram importados do Peru.