Sem fiscalização

Ex-trabalhadores do Procon denunciam desaparecimento de carros do órgão

Depois da divulgação da abertura de investigação por parte do Ministério Público Estadual (MPE), ex-servidores, que pediram para não serem identificados, questionam o sumiço de dois carros do órgão, duas Paratis, além do abandono do ônibus do Procon que estaria se transformando em sucata, sendo que o coletivo servia para atender os consumidores do interior do Estado.

Os antigos trabalhadores afirmaram que o Procon do Acre está praticamente fechado, funcionando de forma precária, com trabalhadores que desconhecem a legislação, sendo composto por indicados políticos do PRB. A queixa ainda aponta que não existem mais fiscalizações.

Os relatos apontam que os cargos existentes são os mesmos preenchidos ainda na gestão de Tião Viana, ou seja, a aliança com o governo de oposição ao PT teria mantido os mesmos representantes de cargos comissionados indicados por deputados do PRB.