NOTA ZERO

Funcionários do MEC afirmam que resultado do Enem não é 100% confiável

Uma decisão do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) de pular uma etapa de recálculo das questões do Enem para apressar a resposta aos erros em notas  identificados no exame de 2019 abre dúvidas sobre os resultados da prova, afirmam funcionários do instituto e do MEC (Ministério da Educação).

O Inep refez a conferência dos desempenhos dos participantes no exame após os erros virem à tona. Mas, uma vez que obteve os novos índices de acertos, não recalculou os parâmetros para atribuir peso às diferentes perguntas do teste.

Como esse cálculo exigiria mais tempo para ser concluído, o governo Bolsonaro abriu mão dele para dar uma resposta rápida aos erros e manter o cronograma do Sisu (Sistema de Seleção Unificada).

O ministro Abraham Weintraub durante entrevista coletiva em Brasília/Foto: UOL

Sem esse procedimento, uma espécie de recalibragem do exame, não é possível ter 100% de confiança nos resultados publicados, afirmam funcionários que falaram sob condição de anonimato.

Na avaliação de técnicos da pasta, o recálculo dos parâmetros poderia reduzir o erro padrão do exame e indicar variações nas notas —que provavelmente seriam pequenas, mas suficientes para alterar, por exemplo, a lista de aprovados em cursos concorridos.

Continue a ler aqui.