Doa a quem doer

Gladson Cameli volta a falar em cartel na saúde e diz que já pediu investigação das autoridades

O governador do Acre, Gladson Cameli (Progressista), voltou a reafirmar na manhã desta quarta-feira, 29, durante entrevista ao jornalista Washington Aquino, que existe um cartel organizado dentro dos setores da saúde de seu governo e desconfia que são grupos que torcem para que sua administração não decole, além dos chamado fogo-amigo, aliados que hoje torcem contra a atual gestão.

“Não há outra explicação. Dinheiro tem. Meu secretário Alisson Bestene tem trabalhado dia e noite sem medir esforços para melhorar a nossa saúde e a coisa não anda. Existe a interferência de grupinhos organizados em forma de cartel dentro de nossas unidades e eu já pedi que as autoridades investiguem para descobrir quem são e assim tomarmos as providências”, afirmou o governador.

Cameli, lamentou também que a burocracia é outro gargalo que faz com que setores da saúde não deslanche na melhoria do atendimento nos hospitais.

“É lamentável que estejamos em plena era tecnológica e para licitar e comprar um simples parafuso para uma cirurgia de ortopedia, por exemplo, esse processo demore até 90 dias. Quem chega ao hospital vai em busca de ajuda, seja ela de urgência ou emergência. Portanto, precisamos destravar essa parte burocrática e pensar mais no ser humano”, pontuou Cameli.

Em relação a superlotação dos hospitais, em especial no setor ortopédico, o governador afirmou que nos próximos dias vai acontecer um multidão de cirurgias para desafogar o sistema e, consequentemente, melhorar os atendimentos futuros.