Dura lex sed lex

Marido de Antônia Lúcia, Silas Câmara é acusado pela PGR de crime de peculato

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a condenação do marido da ex-deputada federal pelo Acre, Antônia Lúcia Câmara, o deputado federal Silas Câmara (PRB-AM) pelo suposto crime de peculato. Ele teria ficado com parte dos salários dos servidores em cargo de confiança nomeados por ele, entre 2000 e 2011.

Segundo o Estadão, 18 assessores parlamentares tiveram que entregar parte ou a totalidade dos recursos por depósitos em espécie que somariam R$ 145 mil, valores que tinham semelhança com os sacados pelos trabalhadores.

Uma das denúncias feitas a Procuradoria Geral da República (PGR) consta o depoimento de Raimundo Silva Gomes. No processo, Raquel Dodge narra a existência de funcionários fantasmas.

Deputado Silas Câmara agora é alvo da Procuradoria Geral da República

O Estadão traz um trecho em que a procuradora-geral teria alegado que “após sucessivos saques nas contas correntes dos secretários parlamentares, coincidentemente, ocorriam depósitos em dinheiro nas contas do parlamentar em datas próximas ao aporte dos vencimentos nas contas dos assessores”.

Nota da assessoria de comunicação do Deputado Federal Silas Câmara

Com relação a notícia, publicada nesta terça-feira, 9, sobre supostas irregularidades apontadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR) no mandato do deputado federal, Silas Câmara, sua assessoria de comunicação esclarece:

As alegações finais da Procuradoria-Geral da República não procedem: os servidores lotados no gabinete do Deputado Silas Câmara e no escritório parlamentar em Manaus prestaram serviços de acordo com funções compatíveis a assessores parlamentares, conforme suas respectivas capacidades, sendo remunerados de acordo com as disposições e regramentos da Câmara dos Deputados. Nenhuma contrapartida foi cobrada desses servidores, apenas o cumprimento de seus deveres funcionais. Segundo o advogado Rogério Marcolini, o deputado confia que o Supremo Tribunal Federal saberá reconhecer esses fatos para afastar a acusação injusta que lhe é feita.