O agro brasileiro é sustentável e precisamos mostrar ao mundo

Longe de ser só um produtor de alimentos e fibras, o agronegócio se destaca como propulsor da economia brasileira. De acordo com o Comex Stat da Secint (Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais), o setor, que representa cerca de 25% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro, fechou 2023 com superavit acumulado de US$ 148,58 bilhões, 4,9% a mais que em 2022.

O olhar atento às demandas globais assegura a boa relação comercial com grandes players da economia global em todos os continentes. Para isso, é cada vez mais necessário adotar práticas sociais e ambientais responsáveis. Mais do que nunca, os produtores de todos os portes, além das empresas que atuam na cadeia produtiva do agronegócio brasileiro, precisam continuamente investir em recursos que reduzam impactos ambientais e ofereçam à sociedade qualidade e segurança.publicidade

Exemplo evidente disso é a posição do Brasil, ao colocar a sustentabilidade no centro da pauta de agricultura no G20. Em abril de 2024, o país sediará diversos encontros presenciais com a participação das delegações das maiores economias do mundo. O objetivo é elaborar um documento técnico que estabeleça diretrizes para o desenvolvimento sustentável do setor agropecuário nesses países.

Na prática, a sustentabilidade não é uma pauta futura para o Brasil. A agricultura de precisão, por exemplo, vem sendo difundida no país desde a introdução do sistema GPS, há quase 30 anos. A técnica otimiza a produção agrícola em até 29%, como revela o levantamento realizado pelo departamento técnico do Sistema Famasul.

ILPF (Integração Lavoura Pecuária Floresta), que combina culturas agrícolas, criação de animais e cultivo de árvores em uma mesma área, já ocupa mais de 17 milhões de hectares, segundo a Embrapa; e a agricultura conservacionista chega aos 27 milhões de hectares, o que contribui para a conservação de recursos naturais, como solo e água, por meio de técnicas como rotação de culturas e plantio direto.

Os exemplos de práticas que otimizam a produção são muitos e tendem a crescer. As pesquisas constantemente realizadas fomentam o desenvolvimento de tecnologias capazes de oferecer métodos e soluções que contribuam com a prática rural. A biotecnologia é cada vez mais presente no campo, assegurando meios de cultivo menos agressivos ao meio ambiente e à saúde humana e dos animais, além de promover melhor aproveitamento do solo.

Em paralelo, os maquinários e a utilização de tecnologias de monitoramento, coleta e análise de dados tem agregado valor ao agronegócio, pois possibilita mais agilidade, precisão e menor impacto ambiental. Além disso, cria oportunidades para tornar a mão de obra cada vez mais qualificada, resultando em um ciclo virtuoso de crescimento.

Esse é um movimento que já ocorre de forma contínua e não há mais espaço para práticas ultrapassadas. A Agrishow, por exemplo, principal feira de tecnologia agrícola da América Latina, todos os anos é palco de inúmeros lançamentos que atendem do pequeno ao grande produtor rural, sendo notável a importância de eventos como esse para tornar essas inovações cada vez mais acessíveis a todos e incentivar o mercado a evoluir.

Ainda há muito a se fazer, mas o setor já está no caminho certo há décadas e é necessário que o mundo saiba disso. Há ainda muitos desafios, mas juntos conseguimos não só colocar em prática, como também comunicar tudo aquilo que já vem sendo feito pelo agronegócio brasileiro.

Tópicos:

PUBLICIDADE

Preencha abaixo e receba as notícias em primeira mão pelo seu e-mail

PUBLICIDADE

Nossa responsabilidade é muito grande! Cabe-nos concretizar os objetivos para os quais foi criado o jornal Diário do acre