Queda de braço

Presidente do Sinpol critica possibilidade de governo de Gladson Cameli de rebaixar Secretaria de Polícia Civil

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Acre (Sinpol), Tibério Cesar da Costa Isaias, criticou a possibilidade de rebaixamento da Secretaria de Estado da Polícia Civil para um órgão ligado à Secretaria de Estado de Segurança Pública. Para ele, o prazo dado pelo governo para a resolução das questões internas da Polícia Civil não contribuiria para a solução das dificuldades. Tibério também cobrou melhorias nas condições de trabalho.

Segundo ele, o destino da pasta será debatido na próxima segunda-feira (22) entre o governador Gladson Cameli (Progressistas) e o secretário Rêmulo Diniz. Assim, qualquer debate antecipado sobre a mudança seria apenas especulação, acrescentou.

“Nesse momento tratamos como especulação. Não é mudando o status de secretaria que vai resolver os reais problemas da Polícia Civil. A nossa classe tem vários problemas que o governo já conhece, e o sindicato já repassou a demanda ao secretário e não vai ser substituindo o secretário de Polícia Civil pelo secretário de Segurança Pública que vai resolver”, explicou.

Policiais civis enxergam retrocesso em um possível rebaixamento da Secretaria de Polícia Civil

Tibério afirmou ainda que as maiores dificuldades são estruturais, como a falta de pessoal suficiente para atender as demandas, além da falta de equipamentos e prédios.

“Nossos problemas são estruturais, nossos problemas vão desde a falta de um efetivo mínimo para o exercício da atividade policial e vai até a falta de estrutura mínima. Se o governo não encarar isso, não teremos mudança, pelo contrário, como representante sindical, acredito que essa atitude [de rebaixar a secretaria] enfraquece ainda mais a nossa instituição por estar penalizando a credibilidade da instituição”, explicou.

O sindicalista argumentou também que não será a resolução de problemas pessoais entre delegados que apresentará melhoria nos trabalhos realizados.

“Houve a questão da reforma administrativa na semana passada, fato que se ventilou muito forte e que por conta de problemas internos, por problemas de relacionamento entre delegados vai mudar seu status, mas o problema vai acabar? Você colocar uma pessoa externa da Polícia Judiciária para nos chefiar, além de uma quebra de credibilidade, com o pessoal interno, visto como incompetente, incapaz, você tem um problema: é uma pessoa que tem uma outra visão e que não conhece as peculiaridades da instituição, então o governador tem que enfrentar esse problema de frente, chamar a categoria”, detalhou.

Mesmo com as demandas, Tibério disse ter consciência de que os problemas não foram criados no atual governo, mas disse acreditar que não será a mudança da condição de secretaria que poderá resultar em melhorias.

“O governo pegou o Estado em um momento muito delicado, ao longo dos últimos anos estivemos padecendo por falta de pessoal, por falta de apoio do governo e não é essa mudança que será o divisor de águas”, finalizou.