Dra G

Quem disse que é dos cafajestes que elas gostam mais?

Há quem diga que na cama é dos cafajestes que elas gostam mais. Será? Quem já transou ou só ficou no esfrega-esfrega de uns amassos qualquer com um ‘carinha de santo’, do tipo bonzinho, engomadinho criado com vó, garante que durante o vuvo-vuco lepo-lepo e aiaiai a jiripoca pia e a casa cai.

Eles não fazem o estilo gato agoniado uivando de cio no telhado. Sem carteirinha de “safado”, embora quietinhos, tarados! E totalmente despudorados para agradar uma mulher. Mas não se iluda, rostinho de bom moço, carinha de bonzinho também engana, na cama. Alguns são até charmosos, sedutores e eloquentes, mas na hora H, do “pega pra capar”, o buraco (ôps!) era mais em baixo, nem de quatro e nem de oito. E nesse caso mais vale um cafajeste explicito a um bonzinho vacilão.

Calma, a coluna não está tarada, tampouco mal-amada. É porque falar de um assunto tão gostoso, mesmo em tempos de maior liberdade sexual, ainda causa esse olhar torto, de preconceito e machismo do falso moralismo de quem só pensa “naquilo” e faz do sexo algo pervertido e pornográfico.

Dito isto, fico mais à vontade para abrir o jogo e dizer o que muitas mulheres já sabem e gostam: em se tratando de sexo, não existe uma receita de bolo. Não importa se na cama o homem é bonzinho ou cara de mau, desde que saiba transar, fazer amor, trepar, fuder, nhanhar, furunfar, sarrar, bimbar, coisar ou trepar. Menos importante é o nome que você vai dar, sendo gostoso, com reciprocidade e consenso tá valendo. Porque não é sobre dar ou sobre comer. É sobre gozar! Bem-vindo ao empoderamento feminino do prazer.

Finalizando com sutileza e lirismo (só que não), uma canção que tem tudo a ver com nosso assunto. (Body Say) – na qual Demi Lovato fala tudo o que quer fazer com o boy. “Você pode me tocar devagar. Acelere, amor, me faça suar. Terra dos sonhos, me leve ao ápice porque eu quero seu sexo. Se meu corpo tivesse voz, eu não negaria. Tocar, fazer amor, te provar”.

Semana que vem tem mais!

 

Quando o assunto é sexo Nem Ponto Nem vírgula, prazer Dra G.

 

Que tal entrar no clima da coluna? Compartilhar uma experiência entre “quatro paredes”, mandar uma pergunta ou tirar uma dúvida? Fica à vontade, a coluna também é sua. Divirta-se.

 

Fale com a Dra

doutoragnempontonemvirgula@gmail.com