De tudo um pouco

Samba ou Pagode? Por que não os dois?

Para iniciar a nossa conversa, é preciso saber que qualquer denominação de gênero musical é um problema. Por exemplo, beira o ridículo dizer que artistas tão distintos quanto Elvis Presley, ACDC e Oasis, estão dentro do mesmo gênero musical. Nesse caso, o Rock. São tão diferentes, e ainda assim, são classificados pela indústria fonográfica, como do mesmo gênero.

A categoria às vezes serve tão somente para atender uma necessidade mercadológica. Se não fosse assim, em qual gênero musical se encaixaria o Raul Seixas, sobre quem falamos na semana passada? Logo ele, que gravou Baião, Rock and Roll, Blues, MPB, Forró…

Essa necessidade do ser humano de rotular coisas e pessoas, não deixaria escapar os artistas e seus respectivos gêneros musicais.  É exatamente esse hábito de rotular que nos leva ao tema de hoje. Samba ou Pagode? Eu fico com os dois.

Para que fique claro, pagode é uma palavra que vem de séculos atrás, e na ideia geral, sempre para designar festas com música ao vivo. Várias pessoas reunidas tocando e fazendo música é um pagode. E ele pode ser de qualquer estilo ou gênero musical. Sim, podemos fazer um pagode sertanejo ou de axé, por exemplo. Sabe aquela roda de viola tão comum nos churrascos de fim de semana? Nada mais é, do que um pagode. Mesmo que os violeiros não toquem nenhum samba.

Então, por que tanta gente acredita que pagode é um subgênero do samba? O termo, que já foi associado às festas que aconteciam nas senzalas, se tornou com o passar dos tempos, sinônimo de qualquer festa regada a bebida alcoólica e cantoria. Mais tarde, se popularizou entre os sambistas, que se valiam do nome para “batizar” suas festas. O samba feito nos fundos de quintal.

O primeiro samba gravado no país, segundo a Biblioteca Nacional, foi “Pelo telefone” da dupla, Ernesto Joaquim, o Donga e Mauro de Almeida, no ano de 1916. Desde então, os batuques evoluíram de forma progressiva e constante. Principalmente nas décadas de 30 e 40, quando as marchinhas e sambas carnavalescos eram os grandes sucessos das emissoras de rádio.

Os principais subgêneros do samba são o “Samba de breque”, que se caracteriza por paradas súbitas. Seu principal intérprete é Moreira da Silva; o “Samba canção”, geralmente um samba mais sentimental, mais melódico e romântico, como o samba Castigo de Lupicínio Rodrigues; o “Samba enredo”, criado por compositores das escolas de samba e o “Samba exaltação”, que tem em “Aquarela do Brasil”, de Ari Barroso, do ano de 1939, o seu melhor exemplo.

Agora que você já sabe a diferença entre o pagode e o samba, e que eles se completam, o que está esperando para acender a churrasqueira, colocar meia dúzia de Brahma pra gelar e me convidar para o pagode? Um forte abraço e até a semana que vem.