Reportagem exclusiva

Seis veículos são roubados ou furtados por dia no Acre, segundo as estatísticas

Em média, a cada 24 horas, são roubados ou furtados seis veículos no Acre. A maioria das vítimas é formada por proprietários de motocicletas acima de 160 cilindradas e caminhonetes. O que não significa que quem possui um carro popular esteja a salvo da violência.

Rio Branco é a cidade que concentra a maior parte desses crimes. E as mulheres, as presas mais visadas pelos bandidos. Via de regra, os roubos são executados por duplas de assaltantes que trafegam em motocicletas.

Os dados são alarmantes – e incompatíveis com um estado onde vivem pouco mais de 800 mil habitantes.

Feito com exclusividade pelo portal Diário do Acre, o levamento teve por base as estatísticas oficiais do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp). E traduzem a real dimensão do drama sob o qual vivemos nesse setor.

Maioria dos assaltos é feita por dupla de moto/Internet

Só nos primeiros 16 dias do mês de abril deste ano, por exemplo, pelo menos 91 veículos foram levados por bandidos em assaltos ou furtos.

A Secretaria de Estado de Segurança Pública do Acre não desmente as estatísticas expostas nesta reportagem. Mas assegura que do dia 1° de janeiro até esta quinta-feira (18), as polícias conseguiram recuperar 309 veículos – o que não significa que eles tenham sido roubados ou furtados nesse período.

Radiografia de uma tragédia

Os assaltantes, grosso modo, têm como alvo preferencial as mulheres condutoras de motocicletas. Curiosamente, as mais cobiçadas são as de modelo BIZ e aquelas cuja potência do motor é maior que 160 cilindradas.

E se a grande paixão da bandidagem são as caminhonetes com até um ano de uso, os carros tipo passeio mais visados pelos criminosos são os modelos Honda Civic, Ônix e HB20.

Roubados no Ace, carros e motos literalmente viram pó/Internet

Em geral, os veículos roubados ou furtados servem como moeda de troca nos países com os quais o Acre faz fronteira. Tanto no Peru quanto na Bolívia – respectivamente, o segundo e o terceiro colocados no ranking mundial de produção de cocaína, atrás apenas da Colômbia –, os bens móveis surrupiados no Acre são negociados com os narcotraficantes estrangeiros. E a maioria deles tem como destino os desmanches, de onde saem as peças que abastecem o mercado ilegal nos dois países.

Blitz como estratégia para conter a crminalidade/Internet

As blitzes realizadas rotineiramente pelas polícias, tanto na capital quanto nos municípios do interior do estado, são parte de um conjunto de estratégias usadas pelo Serviço de Inteligência da Polícia, na tentativa de desarticular as quadrilhas especializadas em roubo de veículos.

Embora a medida seja hostilizada por muitos, e alvo de constantes críticas por parte dos condutores, é justamente a segurança destes últimos que os policias têm por objetivo resguardar sempre que realizam esse tipo de operação.