COLUNA VOCÊ SABIA?

Setembro Amarelo: Como um Ford Mustang 1968 inspirou uma das mais belas campanhas que temos

Você já ouviu falar no Setembro Amarelo? Com a chegada das redes sociais é muito comum nessa época ver correntes espalhadas na internet com postagens a respeito de depressão e suicídio, mas geralmente não paramos para pensar em como esses termos nascem. Existe um código de ética no jornalismo onde você não pode escrever matérias noticiando suicídio, uma recomendação bastante válida, mas hoje, eu quero trazer para vocês a origem de uma das mais belas campanhas de prevenção que temos, o Setembro Amarelo.

Ford Mustang ano 1968

Em 1994, um Ford Mustang de cor amarela fabricado quase 30 anos antes se tornaria o grande símbolo desta campanha. O carro foi comprado por um jovem apaixonado pelo modelo mesmo antes de ter licença para dirigir em Westminster no estado norte-americano do Colorado, esse jovem se chamava Michael Emme, ou Mike, como era conhecido, o jovem reformou o carro sozinho na garagem de seus pais.

Na descrição de seus pais, Dale e Darlene Emme, Mike era um jovem de bom coração, generoso e bem humorado, seu sorriso era uma marca registrada. Aos 17 anos começou a andar triste pelos cantos e muitos diziam se tratar de coração partido, já que havia terminado com uma namorada pouco tempo antes. No entanto, o que ninguém imaginava era que Mike sofria de uma depressão severa e provavelmente por não entender o que estava enfrentando, não teve tratamento e nem apoio.

Depressão não é besteira

Desorientado e sem ter com quem conversar sobre o que sentia, chegou sozinho a uma conclusão terrível, no dia 8 de setembro de 1994 escreveu um bilhete dizendo: “Mãe, pai, amo vocês. Não se culpem. Com amor, Mike. 11:45 p.m.”.

Às 11:52 p.m., apenas 7 minutos após a hora que ele havia colocado no bilhete, o casal chegou em casa, encontrou o Mustang amarelo estacionado na frente, como de costume, mas Mike estava dentro dele já sem vida.

Os pais de Mike sabiam que poderiam ter evitado a morte prematura do filho de muitas maneiras, mas tentaram seguir o conselho deixado pelo jovem no bilhete e procurar formas de ajudar outras famílias a não passarem pela mesma situação, encontrando assim, um propósito para a morte do filho, para que ela não tenha sido em vão.

Imagem/Internet

Foi quando eles tiveram a ideia de criar “lembranças” de Mike – objetos simples que fossem carregados com a memória do filho, e que de alguma forma pudessem ajudar jovens na mesma situação a escaparem de um fim precoce e triste como o dele.

Então, surgiu as fitas amarelas, cor que foi inspirada no Mustang de Mike, cada uma dessas fitas eram presas a um cartão. Nos cartões, uma mensagem simples: “Se você está pensando em suicídio, entregue este cartão a alguém e peça ajuda!”. A ideia era ajudar jovens a exporem sua situação e evitar tomar decisões como a que Mike tomou.

Durante o funeral, 500 cartões com fitas foram colocados em um cesto, todos foram levados e começaram a se espalhar por todo o país, surge assim a fundação Yellow Ribbon (fita amarela). Alguns dias depois, os pais do Mike, começaram a receber cartas e ligações de centenas de pessoas que haviam recebido o cartão de alguém e desistido de tirar a própria vida.

Segundo dados da fundação, desde 1994 os cartões amarelos ajudaram mais de 115.000 jovens a salvarem suas vidas e a data em que a corrente começou e a cor do velho Mustang inspiraram a origem do Setembro Amarelo.

Tradução: ESSA FITA É UMA LINHA DA VIDA! Ela carrega a mensagem que existem pessoas que se importam e vão ajudar! Se você está precisando de ajuda e não sabe como pedir, entregue esse cartão a um conselheiro, professor, padre/pastor, médico, parente ou amigo e diga: “EU PRECISO USAR MINHA FITA AMARELA” O programa Yellow Ribbon é em memória amorosa de Michael Emme. Tradução/Anderson Siqueira , Imagem/Internet