Meu Acre Querido

#TBT do Acre: O Casarão

Quem passa pela Avenida Brasil e vê a bela casa de madeira em estilo antigo muitas vezes não sabe a rica história que o lugar tem, mas com certeza os mais antigos moradores de Rio Branco sabem e lembram com saudade. Hoje, quinta-feira, é dia de Throwback Thursday (TBT), expressão em inglês para “Quinta-feira do Retorno” onde vamos fazer uma viagem no tempo para relembrar a história do nosso querido Acre.

📷 Imagem/Internet

O Casarão

Para começar a contar essa história vamos para longe, nos anos 1920 fugindo das dificuldades do que ainda era o Império Otomano, muitos árabes e turcos migraram para outros continentes, no Brasil chegaram até o Acre. Um desses turcos era Abdon Massari que construiu na década de 30 uma casa grande próxima ao Rio Acre, principal rota de comércio na época.

Alguns anos depois, a casa foi adquirida pelo coronel da polícia militar Manoel Fontenele de Castro que seria ainda prefeito de Rio Branco e nomeado governador do território do Acre pelo presidente Juscelino Kubitscheck. O coronel Fontelene construiu no terreno o que viria ser a primeira piscina do Estado, de uso praticamente público, que era enchida com a água do rio e era realizado campeonatos de natação. Fontenele de Castro faleceu no dia 25 de outubro de 1965 e a casa ficou em posse dos filhos.

Marco da história

Foi somente a partir do início da década de 80 que o local conhecido como o Casarão virou recanto popular. Um casal que morava em São Bernardo do Campo (SP) decidiu se mudar para Rio Branco e viram em um jornal o anúncio de aluguel da residência. Pela ótima localização, Maria das Graças e Valter Halk decidiram alugar e montar ali um bar.

Como o aluguel era muito alto, o bar não estava sendo suficiente para pagar as contas e decidiram abrir também um restaurante. Em pouco tempo, o bar e restaurante O Casarão começou a ser frequentado por boêmios, intelectuais, universitários, sindicalistas, artistas e militantes partidários, se tornando uma espécie de “território livre” para manifestação cultural.

📷 Bar e restaurante O Casarão. Imagem/Internet

Os tempos do restaurante duraram até 1999 quando a evolução social fez os tempos mudarem, o público que frequentava o Casarão já era outro e o casal Halk não conseguiu continuar com o auge do espaço e acabaram falindo.

Patrimônio Histórico e Cultural

O local ficou abandonado até 2009 quando o Governo do Estado tombou o Casarão como Patrimônio Histórico e Cultural do Acre, reformando o espaço que hoje é administrado pela Fundação Elias Mansour (FEM). Em 2010 foi reinaugurado mantendo a maior parte de suas características arquitetônicas.

📷 O Casarão após a reforma. Imagem/Internet