DE TUDO UM POUCO

Todo bajulador é traiçoeiro. Cuidado com eles!

Em todo ambiente de trabalho existem pessoas das mais variadas características. Sem sombra de dúvidas, a mais perigosa, nociva e traiçoeira é a figura do bajulador, ou puxa saco, como são mais comumente chamados. Todo cuidado é pouco para lidar com esse tipo de gente. Eles estão sempre prontos para o ataque. Dispostos a repassar tudo que lhes foram confiados como segredo. E fazem isso sempre de forma que não deixe rastro. Normalmente, “confiam” o assunto em questão à pessoa mais mexeriqueira do departamento. Após isso, sai de cena e deixa que o segredo se espalhe.

Todo puxa saco, acha alguém para chamar daquilo que ele é. São signatários do ensinamento erroneamente atribuído à Lênin, mas que na verdade vem de um documento apócrifo soviético, intitulado “Rules for Revolution” (Regras para a Revolução) que diz: “Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é”. Neste caso, o adversário do bajulador, é qualquer pessoa que cruze o seu caminho e obsessão em estar sempre próximo ao patrão ou superior imediato. Mais importante para o puxa saco, é parecer útil do que propriamente sê-lo.

Na busca desenfreada para atingir seus objetivos, que em regra, são aquisição financeira e crescimento na hierarquia, o bajulador passa por cima dos valores morais e atropela quem “ousar” entrar no seu caminho. São dissimulados. Gargalham da mais sem graça piada contada pelo chefe. São genuinamente falsos, visam sempre vantagens e nunca agradar de forma sincera os seus colegas de trabalho.

Para esses infelizes, quem está no topo da hierarquia tem mais valor do que os demais. Tiram suas máscaras quando o líder e/ou chefe não está por perto, jamais negam um favor para seu superior. Uma ideia ruim vinda do “mestre” nunca é contestada por ele. Parecem cães adestrados. O gestor inteligente mantém perto de si pessoas que o criticam e se afasta dos bajuladores.

Mas o fato, é que muitos patrões, chefes, líderes e afins, gostam mesmo é de ser bajulados, reverenciados. E isso, para o puxa saco profissional é um prato cheio. Eles nunca criticam o seu superior, são ambiciosos. Somente se mostram bondosos e prestativos para conquistar algo mais a frente. São desprovidos de qualidades morais e éticas.

No best seller “O príncipe”, de Nicolau Maquiavel, o autor, afirma que “os homens apreciam tanto a si mesmos e aos seus atos, que acabam se iludindo a tal ponto que os bajuladores passam a fazer parte de sua vida”. Napoleão Bonaparte afirmava ainda que, “são úteis, uma vez que todo príncipe precisa de estímulos, mas não deve deixar-se envolver por eles”.

Esse tipo de gente não se apega emocionalmente a ninguém. Enxergam qualquer um como concorrente ou como um inimigo em potencial. E assim, seguem sua triste trajetória de mentiras, traições, fofocas etc… Passam por cima de pessoas e atropelam reputações sem dó nem piedade. Nem mesmo olham para trás, para ver o estrago feito. Não se importam com nada além de sua ascensão.

Mas a verdade é que lá no fundo, todo mundo sabe quem realmente nos estima bem, com verdade, pureza e intensões positivas. São esses que não medirão esforços para nos ver crescer, não importando a posição ou cargo que estivermos ocupando. E são esses que devemos manter junto a nós, sem receio ou hesitação. Quem puxa saco, certamente também puxará o seu tapete. Manter-se afastado dessa gente é sempre a melhor escolha.

Beijo para quem for de beijo, abraço para quem for de abraço e até a próxima.